Mensagens

80% do trabalho não é trabalho

Sente. Respira. Pára. Vai devagar. Lembras-te? Estás há um ano a aprender a seguir devagar. Lembras-te como tudo muda quando te permites explorar o ritmo lento, subtil, feminino? O meu corpo lembra-se, reconhece, aceita e pede-me para me deixar ficar. Sentir primeiro. É sempre esse o primeiro passo. É sempre esse o passo que faz a total diferença. Vai para o corpo e sente. É aí nesse teu espaço seguro que habitam todas as respostas, é aí que se esconde a tua verdade. Cansada de estar escondida, faminta por se desnudar. Dá-lhe espaço. Abre-lhe o caminho para se revelar. Aceita. Aceita-te. Assume a tua inteireza e permanece nesse sentir onde és. Sem mais nada. Só tu e tu. Só tu e eu. Só este nós que somos tudo. Agora sim. Mais eu. Mais inteira. Cheguei a esta página em branco para falar de energia, a minha. Cheguei para falar do meu padrão do fazer fazer fazer. Vinha falar da sua toxicidade e quando dei por mim tinha sido apanhada na curva. Porque já estava a escrever exatamente a partir

Vamos falar sobre segurança?

Segurança. Se há 6 anos atrás me dissessem que esta palavra ia tornar-se tão importante na minha vida, eu não acreditaria. Esta palavra estava entre aquelas que me repeliam. Eu que sempre me identifiquei com a mudança, a evolução, os saltos para fora da zona de conforto. Como assim a segurança vai tornar-se o meu centro vital?! Hoje olho para trás e sorrio perante a minha ingenuidade e o quanto eu me desconhecia a mim mesma, o quanto estava enganada sobre aquela que é a minha essência, sobre a minha verdade. Não fazia mesmo ideia o que estava escondido debaixo da armadura que vesti na infância e que se tornou a minha pele. Eu achava que não precisava de segurança e, no entanto, andava de armadura sempre vestida. E afinal para que se usa uma armadura? Exato. Só quem precisa muito de se sentir segura, veste uma armadura e nunca a despe. Esta fui eu. A menina cheia de medos, que precisou aprender a defender-se sozinha para sobreviver e por isso vestiu uma armadura. Vestiu uma armadura, is